sexta-feira, 18 de agosto de 2017

UBATUBA...........UM POUCO DA SUA HISTÓRIA............PARTE 8




DECLÍNIO

A marcha do café para o Oeste, para as regiões de Jundiaí e Campinas, à procura de terras virgens e férteis e a construção das ligações ferroviárias Rio de Janeiro – São Paulo e São Paulo – Santos e do Porto de Santos, fizeram definhar a antiga estrada da “rota do café”, que do Sul de Minas demandava o Porto de Ubatuba, e, naturalmente o próprio porto e cidade. 




A decadência também é atribuída à ordem do Capitão Bernardo José de Lorena, que, intercedendo a favor do porto de Santos, determinou que todas as embarcações em demanda do litoral paulista tocassem em Santos, porto até então abandonado e privado de contados comerciais.
Querendo ainda frear a decadência advinda das transformações econômicas que se haviam operado na Província de São Paulo, os grandes proprietários da região ubatubense (sobretudo os franceses) reconheceram que apenas uma providência poderia salvar o porto, a cidade e, por conseguinte, os seus interesses, um ramal ferroviário que ligasse Ubatuba a Taubaté, no Vale do Paraíba, e, dali, alcançasse o Sul de Minas Gerais. Só assim Ubatuba conseguiria manter sua posição de porto regional, exportador da produção do Vale do Paraíba e da região Sul-Mineira.
No dia 28 de setembro de 1890, tiveram início as obras de construção. Entretanto, com a falência do Banco de Taubaté, que apoiava o grupo interessado no empreendimento, malogrou-se a iniciativa. As obras, cerca de 80 quilômetros de estrada construída e material ferroviário, foram abandonados. Alguns anos depois, houve uma tentativa infrutífera de concluir a estrada. Em 1917, novo grupo financeiro pleiteou o privilégio da construção da importante via de comunicação. Como das vezes anteriores, não houve resultados práticos.

RESSURGIMENTO
A partir de 1933, com a abertura de uma estrada de rodagem entre Ubatuba e São Luiz do Paraitinga, aproveitando o velho caminho das tropas, fez com que a cidade fosse descoberta para o turismo, iniciando-se novo surto de desenvolvimento. A estrada Caraguatatuba-Ubatuba, aberta em 1954, reduziu consideravelmente o tempo de viagem. Visitantes, encantados com as belezas naturais da região, ali começaram a passar as férias, adquirindo terrenos para construção de suas casas de praia. A construção da Rodovia Rio-Santos (BR-101), abriu para Ubatuba excelentes perspectivas econômicas, e o aproveitamento de uma das regiões turísticas mais belas do país.

ESTÂNCIA BALNEÁRIA
Depois de um longo período, após a Revolução Constitucionalista de 1932, com o objetivo de integrar a região, cujo isolamento ficou patente no conflito, o Governo Estadual promoveu melhorias na Rodovia Osvaldo Cruz (Ubatuba – Taubaté), Ubatuba despertou para o turismo sendo declarada Estância Balneária pela Lei Estadual n° 163 de 27 de setembro de 1948 alcançando fama e prestígio nacional e internacional passando a cidade a contar com uma ligação permanente com o Vale do Paraíba. Aos poucos, Ubatuba começa a desenvolver a sua vocação turística.
Na década de 70, com a abertura da Rodovia Rio-Santos (BR 101) a cidade foi descoberta pelos turistas. O Brasil inteiro se encantou com as belezas naturais que encontraram: mais de 100 praias, ilhas, baías, rios, cachoeiras, trilhas, a Mata Atlântica, enfim, natureza pura. O recorte do litoral na região, é um capricho dos deuses, e em qualquer época do ano, Ubatuba tem um clima agradável e ainda um povo alegre, hospitaleiro e amigo.


 CONTINUA   NO DIA 20  DE  AGOSTO de 2017 COM A
PUBLICAÇÃO  DA   NONA  E  ULTIMA PARTE......

Nenhum comentário: