quarta-feira, 25 de abril de 2012

ESPECIAL : UBATUBA, ESPAÇO, MEMORIA E CULTURA - PARTE 73....


CONFIRA   AGORA  A SEQUÊNCIA DA PARTE  72, do ESPECIAL   " UBATUBA, ESPAÇO, MEMÓRIA E CULTURA "...

.......lavoura nas terras da vila. As grandes áreas adquiridas por estes estrangeiros, cultivavam o já chamado ouro-verde, o café brasileiro, cujo comércio mais tarde foi transferido para o planalto. Ubatuba foi um dos primeiros municípios do Estado de São Paulo a dedicar-se ao cultivo do café sendo também um importante produtor (Oliveira, 1977:64).

Sabemos que o Brasil é formado por várias culturas de diferentes países, e em Ubatuba, não foi diferente. Entretanto, depois da dominação e a colonização portuguesa, deu-se inicio ao processo de “miscigenação”[1]. Um processo de mistura que incluiu: negros e imigrantes de outros países, que chegaram a Ubatuba, fazendo desta um cenário multicultural. Tais culturas conservam fortes traços de suas ascendências hereditárias. Alguns dos sobrenomes mais expressivos desta saga identitária em Ubatuba são: os Vigneron Jussilendière, os Garroux, os Charleaux, os Melany, que permaneceram originais em relação a seus antepassados. Outros nomes foram aportuguesados com o tempo, como os Borget, que se tornou Borgete ou Borges; os Bruyer = Brié ou Brulher; os Giraud = Giró, entre outros, espalhados entre as comunidades caiçaras.




Segundo informações fornecidas pelo pesquisador Euclides Vigneron, com a transformação do café como o principal produto forte na economia do mercado, a partir de 1822, a antiga Vila de Ubatuba passou a ser um alvo de procura pelo crescente desenvolvimento cafeeiro, por parte dos imigrantes. Os primeiros estrangeiros recém chegados foram os de origem francesa, inglesa, sueca, dominicana entre os anos 1817 e 1830, lavradores- proprietários que com um considerável capital compravam extensas áreas de terras e muitos escravos para trabalhar em elas. Alguns franceses que adquiriram terras em Ubatuba foram Camille Jan e Sigismond Vigneron de La Jousselandièrre, em um local denominado Jundiaquara e Ponta Grossa, respectivamente. Estes eram considerados a elite da cidade, haja vista que traziam, o capital e possuíam um relativo nível cultural importante para o desenvolvimento econômico e social da nascente cidade de Ubatuba. 

Vale ressaltar que a imigração francesa com a aquisição de grandes áreas de terras a serem cultivadas de café na Vila de Ubatuba, trouxe consigo a raça negra. Era o crescimento imediato em pouco tempo da mão-de-obra escrava utilizada nas fazendas cafeeiras, em um movimento intenso ocorrido em 1830.

Os negros em Ubatuba tiveram grande predominância, justamente na época do apogeu, quando as fazendas voltaram a prosperar, precisando um número maior de escravos nas suas lavouras. Hoje se pode observar, a presença dos descendentes desta raça nas praias de Caçandoca e Caçandoquinha, os chamados “quilombolas”, gente importante da história do Brasil.

Washington de Oliveira informa que, mesmo com a promulgação da Lei Euzébio de Queiros, de 04 de setembro - 1850, que determinava a extinção o tráfico negreiro, continuou acontecendo à vistas grossas da lei municipal, o comércio clandestino de escravos. Por ser a costa litorânea muito extensa e acidentada, a entrada dos negros na Vila de Ubatuba, dava-se nos desembarques nas enseadas da Fortaleza e Caçandoca, ao sul, e no Ubatumirim, ao norte. Os mesmo escravos eram conduzidos através das matas até as fazendas do Vale do Paraíba onde eram comercializados, mas muitos aqui ficaram trabalhando em fazendas afastadas dos centros comerciais da época.

A imigração italiana em Ubatuba, mostra duas hipóteses de assentamento. Uma é que por volta de 1874, famílias do norte da Itália foram trazidas ao Brasil com intenção de serem os primeiros colonos italianos no país, na província de Santa Catarina. Nesta leva, Enrico Secchi, em 1887, ainda no Rio de Janeiro teria conseguido autorização oficial e a recomendação do Cônsul Italiano em São Paulo de retirar da hospedaria, 30 das famílias, vindas de Mántova, Itália. Em um entendimento com Joaquim Ferreira da Veiga, proprietários de muitas terras localizadas na Picinguaba, assentaram-se estas famílias em Ubatuba. Com o intuito de desenvolver lavouras e colonização no local, lotes foram doados aos italianos desde a parte plana até os sertões das montanhas. Mas infelizmente, depois de uma inundação da maré cheia em suas casas teriam desanimado e abandonado o local. Ficaram ainda alguns italianos cultivando cana de açúcar em outros lugares da região.

A outra hipótese é que, o então dono da Fazenda Picinguaba, por volta de 1850, após a construção de um engenho de cana de açúcar e moinho de fubá, teve a idéia de povoar a localidade formando uma colônia com 45 famílias de italianos. Com o passar do tempo, a maioria acabou desanimando com a perda de colheitas da cana e foi embora, mas alguns ficaram onde hoje é o Núcleo da Picinguaba. Desta época restaram as ruínas da Casa da Farinha, outro atrativo cultural que narra um pouco a passagem desses imigrantes italianos por esta região.



[1] Miscigenação é um processo inter – racial, resultado da mistura entre diferentes etnias.

fonte :  LIVRO  ubatuba , espaço , memoria e cultura.....PROXIMA PUBLICAÇÃO : 02 DE MAIO, PAGINA 241...

Nenhum comentário: