terça-feira, 12 de janeiro de 2010

A descoberta do “camarão na moranga”

Em 1945, o presídio da Ilha Anchieta recebeu um grupo de japoneses. Eram presos políticos de uma facção chamado Shindo Romei. Ideólogos japoneses que executavam seus compatriotas, aqui no Brasil, por considerá-los amigos dos brasileiros e, por conseguinte, traidores do Japão. Esses japoneses eram muito trabalhadores e transformaram o capim-melado e o sapezal da ilha em verduras e legumes.




De tanto andarem descalços e comerem peixe-porco cru, começaram a ficar barrigudos, parecendo barriga d’água ou baiacu coçado. Procuraram o médico da ilha e, feitos os exames laboratoriais, o doutor constatou que a japonesada toda estava com bicha. Não quiseram tomar os tradicionais lombrigueiros dos caiçaras. Passaram então a plantar abóboras, pois era das sementes das abóboras que eles obtinham um poderoso vermífugo que acabava com os vermes, lombrigas e até solitárias. Foi uma novidade para os caiçaras moradores da ilha, que passaram também a usar a tal homeopatia japonesa proveniente das sementes de abóboras.



João Pacu, morador da praia da Enseada, era um sujeito magro, alto e barrigudo. Barrigudo porque certamente também estava bichado. Uns diziam que ele estava grávido de gêmeos e pelo crescimento da barriga ia ter filho em agosto, onde completava os nove meses. Diante daquela barriga e da gozação que os amigos faziam, João Pacu encomendou mais de cinqüenta abóboras dos japoneses da Ilha Anchieta. João Pacu recebeu as abóboras e vivia comendo, em doses homeopáticas, as sementes torradas. Em três semanas estava curado. Tudo quanto era tipo de verme, lombriga e até solitária, foi expulso da barriga de João. O homem ficou esbelto novamente. Quem lhe trouxe as abóboras foi seu amigo João Glorioso, comerciante do Saco da Ribeira, que semanalmente levava e trazia mercadoria à Ilha Anchieta.



Aconteceu que, no transporte das abóboras, uma delas caiu no mar durante o trajeto. Era uma abóbora do tipo moranga. Caiu no mar e afundou, não dando pra João Glorioso recuperar. Pão duro como era, ficou muito sentido com aquilo. Fazer o que?! Fazer o que, é que ele não ia perder aquela abóbora por nada. No outro dia lá tava João Glorioso arrastando os mais diversos tipos de redes de pesca para recuperar a abóbora. Arrastou puçá, rede de cabo, picaré e até rede de tróia, o homem bateu, pra ver se a abóbora malhava na rede. Mas não teve jeito, a abóbora sumiu.



Sumiu, mas depois de uma semana apareceu no lagamá da praia da Enseada, exatamente em frente ao restaurante da dona Zenaide e, por coincidência, foi achada pela própria que, vendo aquela beleza de fruto, não pensou duas vezes: “- Vou fazer um cozido!” Pegou a abóbora e cozinhou inteira num panelão de barro. Abóbora cozida, hora de apreciar! Foi aí a surpresa. Ao abrir a tal abóbora descobriu que dentro tinha pra mais de dois quilos de camarão sete-barbas. Vendo aquilo e como boa cozinheira que era, trocou as sementes por cheiro-verde, coentro de folha, tomate, alho e cebola, e deu mais uma fervida na abóbora. Pronto! Estava descoberto mais um prato típico da culinária caiçara: “Camarão na Moranga”, prato este que passou a ser o carro-chefe dos pratos do restaurante Zenaide, na praia da Enseada.



O curioso foi desvendar como os camarões foram parar dentro da abóbora. Verificou-se depois que naquela abóbora existia um buraco no lugar do talo, e foi por ali que os crustáceos entraram, fazendo da abóbora uma segura e confortável moradia.



Depois dessa descoberta a receita do “Camarão na Moranga” foi aprimorada. A receita que hoje se encontra nos principais restaurantes da cidade (atenção Elciobebe), é a seguinte:



Ingredientes: 1 abóbora moranga; 1 ½ kg de camarões sete-barbas; 1 cebola grande ralada; 1 colher (de sopa) de salsinha picada; 1 xícara de creme de leite; 2 xícaras de manteiga ou margarina; 2 xícaras de queijo creme; ½ xícara de catchup; sal, pimenta e suco de limão a gosto.



Modo de fazer: Lave a abóbora e mantendo-a fechada cozinhe com casca e tudo. Descasque e limpe o camarão, deixando alguns com o rabinho, para enfeite final. Tempere-os com o suco de limão, com a cebola ralada, a salsinha picada, sal e pimenta a gosto. Deixe descansar durante uma hora. Depois frite o camarão na manteiga derretida durante uns cinco minutos. Em seguida misture o creme de leite, o queijo e o catchup ao camarão aquecendo até o queijo derreter. Se a mistura ficar muito líquida acrescente maisena diluída em um pouco de leite frio. Retire a poupa da moranga e coloque a mistura dentro dela. Enfeite com os camarões reservados e sirva bem quentinho.

Texto de Julinho Mendes - Colunista do site UBAWEB

Receita para quatro pessoas e leva 50 minutos para o preparo.

FONTE : http://www.ubaweb.com/

Um comentário:

Decanity disse...

Eu sou uma estudante da língua portuguesa no Mexico!
É uma historia bela e divertida!
Obrigada por escreverla.