terça-feira, 28 de agosto de 2007

HISTÓRIA : Descoberta arqueológica revela presença de comunidade pré-histórica em Ubatuba

Um trabalho arqueológico realizado pela professora do Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo (MAE/USP), Dorath Pinto Uchoa, revela que, há 4 mil anos (2000A.C), um grupo de humanos já habitava o local, conhecido hoje, como Ilha do Mar Virado, na região sul de Ubatuba.A pesquisa de campo descobriu mais de 40 ossadas de homens e mulheres praticamente pré-históricos. A análise do material apontou que os ossos devam ser de 2 mil anos antes do nascimento de Jesus Cristo. De acordo com a Professora Dorath Pinto Uchoa, coordenadora do trabalho, alguns estudos sobre os esqueletos encontrados, podem traçar características dos nativos históricos."A estatura era baixa, em média o homem media 1,70m e a fêmea 1,50m. Eles eram basicamente coletores e pescadores, sem divisão de trabalho", relata a professora, acrescentando que, provavelmente eles não tinham acesso ao fogo, pois a dentição era muito desgastada, decorrente do esforço para digerir o alimento cru. Outro fator importante era a baixíssima média de vida. "O homem conseguia viver no máximo até os 35 anos, mas as mulheres morriam em média com 20 anos, sem contar o altíssimo índice de mortalidade infantil", revela a professora do MAE/USP, Dorath Pinto Uchoa, acreditando que as doenças eram mortais na época, também devido à falta de recursos.Entretanto, as descobertas de artefatos de defesa e um esqueleto com sinais de morte por agressão, revelam que mesmo naqueles tempos já havia a disputa entre seres humanos."Provavelmente a Ilha do Mar Virado era mais próxima do continente, pelo nível do mar estar em constante aumento, porém era uma ilha e também, o lugar ideal, no sentido de uma estratégia de defesa", opina Dorath Pinto Uchoa, considerando que havia mais nativos em outros pontos do Litoral Norte. Na verdade, há 4 mil anos ainda não podemos dizer, pois só foram encontrados ossos desta idade, na Ilha do Mar Virado.Entretanto, a mesma pesquisadora, já encontrou, anos atrás, material humano histórico em outros dois locais de Ubatuba, Tenório, e o hoje Parque Viva Mar. Estes esqueletos já são de humanos não tão antigos e que provavelmente viveram na mesma época de Jesus Cristo. Eles já tinham bem mais recursos, inclusive de caça e moradia. E provavelmente foram os descendentes destes habitantes que, mais tarde, foram de certa forma aculturados pelos índios Tupis, que desceram a serra.A mistura destas raças permaneceu até a época dos colonizadores portugueses e nova formação humana da cidade.Mistério das Ossadas - Destas ossadas retiradas no Tenório, apenas um crânio fica hoje em exposição no Museu Washington de Oliveira, no centro de Ubatuba. A USP revela que ficou com uma parte e cedeu outra a administração da época da cidade. Entretanto a parte do poder público ubatubense, que deveria estar em exposição no museu, desapareceu no ano 2000, quando foi transferida para o então local, que hoje, recebe e apresenta poucas peças do trabalho.Um comunicado, no próprio museu, questiona o sumiço do material que, até então, ficava no porão da Câmara Municipal de Ubatuba. O Jornal Imprensa Livre irá pesquisar a partir da semana que vem o caso e trará mais detalhes nas próximas edições. (Fonte: Imprensa Livre)

Nenhum comentário: